O médico e o mostro, ou o estranho caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde – Robert Louis Stevenson

Esse ano resolvi que vou colocar em dia a leitura de vários clássicos que estou há anos querendo ler. Um desses clássicos era O médico e o monstro.

Eu não sei como, mas eu não sabia nada sobre esse livro. Não fazia ideia do que se passava na história e fiquei de queixo caído quando descobri “a verdade” (quase tanto quanto o Dr. Lanyon e Mr. Utterson quando descobriram o que aconteceu).

Continuar lendo “O médico e o mostro, ou o estranho caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde – Robert Louis Stevenson”

O Fantástico Mundo dos Elementos – Bunpei Yorifuji

Livrarias oferecem experiências que lojas online não tem como oferecer, como contato com o livro antes de comprar, troca de ideia com vendedores e outros clientes, chegar na loja com uma lista de livros e não ter nenhum… E nessa de não ter nenhum livro da lista, tu acabas descobrindo maravilhas! Foi assim que descobri O Fantástico Mundo dos Elementos – A tabela periódica personificada!


O Fantástico Mundo dos Elementos é um livro ilustrado desenvolvido pelo japonês Bunpei Yorifuji.  Continuar lendo “O Fantástico Mundo dos Elementos – Bunpei Yorifuji”

Uma vila medieval na Itália, uma linda e encantadora Vila do Livro

A ligação de Montereggio, na Toscana, com o título de única Vila do Livro de toda Itália vem de longe. No século 16, vendedores de almanaques e livros (incluindo livros proibidos), viajavam pela Itália e exterior até o começo do inverno, quando retornavam para Montereggio. Essa atividade passou para as gerações seguintes e alguns dos descendentes dos vendedores do século 16, abriram suas próprias livrarias e se tornaram editores. Atualmente, em torno de 150 descendentes dos vendedores tem importantes livrarias pelo mundo. O interessante é que muitos dos livreiros, que saiam viajando e só retornavam para casa no início do inverno, não sabiam ler, mas sabiam da importância do mercado com o qual trabalhavam.

Clipboard01_
Montereggio

Continuar lendo “Uma vila medieval na Itália, uma linda e encantadora Vila do Livro”

1808 e 1822 – Laurentino Gomes

1808 – Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil” e “1822 – Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil – um país que tinha tudo para dar errado” não são romances, são livros-reportagem sobre a história do Brasil, Portugal e da corte no começo do século XIX até aproximadamente 1835. Apesar de não ser romance, a leitura é muito gostosa e que flui muito fácil.

1808-1822_ Continuar lendo “1808 e 1822 – Laurentino Gomes”

A Sacerdotisa de Avalon – Marion Zimmer Bradley

A Sacerdotisa de Avalon foi a última obra de Marion Zimmer Bradley, concluído por sua colaboradora Diana L. Paxson e publicado postumamente.

Neste livro, que se passa entre 259 e 329, a vida de Helena (ou Eilan) é contada. Cronologicamente, essa história se passa em paralelo com a história da segunda parte do livro A Senhora de Avalon, no qual Dierna é a Senhora de Avalon (resenha aqui).

Helena é a filha de uma Grã-sacerdotisa e um príncipe britânico, criada no mundo romano, mas destinada à Avalon. Vamos acompanhar a história de Helena, narrada por ela mesma, dos 10 anos aos 80 e poucos.

Sac Avalon

Continuar lendo “A Sacerdotisa de Avalon – Marion Zimmer Bradley”

Os livros favoritos de Chimamanda Ngozi Adichie

Quem acompanha o blog sabe que em 2016 conheci Chimamanda. Que maravilhosa descoberta! Desde então li Sejamos todos feministas (resenha aqui), Hibisco Roxo (esse livro é fortíssimo! tem resenha aqui) e Americanah (acho que é o livro mais conhecido dela. Já tem resenha aqui).

Em 2014 Chimamanda ganhou o prêmio National Book Critics Circle Award. Nessa época, ela listou para Oprah 5 livros importantes para ela, mas não necessariamente os mais importantes da vida, pois isso poderia incluir mais 50 livros, livros diferentes tiveram diferente importância em diferentes fases da vida.

Como eu sempre quero saber o que pessoas que eu admiro gostaram de ler, estou sempre atrás dessas informações.

Os livros indicados por Chimamanda foram (para ler o comentário completo – em inglês – acesse esse link):

A Flecha de Deus – Chinua Achebe

“Eu achava que livros não podiam incluir pessoas como eu”
Continuar lendo “Os livros favoritos de Chimamanda Ngozi Adichie”

Americanah – Chimamanda Ngozi Adichie

Mais um livro maravilhoso da Chimamanda!

Diferente de Hibisco Roxo (resenha aqui), Americanah é um livro muito mais leve, mas não deixa de tocar em assuntos sensíveis. É uma leitura muito tranquila, nem parece que o livro tem 500 páginas.

Americanah é a história de Ifemelu desde a adolescência. Há partes do livro mais detalhadas, e períodos que são contados superficialmente. Obinze é um personagem super importante da história, mas para mim o livro é a história dela (o amor deles é parte dessa história).

Continuar lendo “Americanah – Chimamanda Ngozi Adichie”

5 livros para ler em um dia!

Estava acabando Sangue na Neve e pensei em livros que li (ou poderia ter lido) em um dia. Resolvi listar alguns que lembrei (incluindo HQ), livros curtinhos e com histórias que nos prendem:

Sangue na Neve – Jo Nesbø

O livro que deu ideia ao post. Uma narrativa tão gostosa e tanto plot twist que não tem como parar de ler. O livro é narrado em primeira pessoa, por um assassino de aluguel. Tem resenha de Sangue na Neve aqui.

Continuar lendo “5 livros para ler em um dia!”

Sangue na Neve – Jo Nesbø

Jo Nesbø é um escritor noruêgues, super famoso, com livros traduzidos para quase 40 línguas e eu não fazia ideia de quem ele era! Comprei o eBook de Sangue na Neve às cegas numa dessas promoções loucas da Amazon.

Continuar lendo “Sangue na Neve – Jo Nesbø”

Orgulho e Preconceito – Jane Austen

Finalmente li Orgulho e Preconceito! Que leitura gostosa!

O livro trata da vida da família Bennet, principalmente da Elizabeth, e se passa no século 18. Eu fiquei espantadíssima com a liberdade e educação que a Elizabeth e as irmãs tinham. Normalmente quando pensamos sobre essa época, pensamos em mulheres que não tinham tal liberdade e que não tinham educação formal. Claro que as famílias apresentadas não são pobres, e talvez aí esteja a diferença, mas não deixa de ser impressionante.

Continuar lendo “Orgulho e Preconceito – Jane Austen”